Feliz... Adaptado... Produtivo... Um pássaro numa gaiola a antibióticos...

quarta-feira, julho 23, 2008

Lost in translation - Episode I


Ainda a recuperar do trauma provocado pelas dublagens do Herbert Richards, desde já me assumo como apreciador de versões originais.

Fluente em Inglês devido a todo um bombardeamento da língua de Shakespeare a que fui submetido ao longo da minha vida, leitor em Francês derivado (não do leite mas) da extensa colecção de BD francófona que possuo, e maroto em Espanhol devido a extensa exposição aos documentários sobre o corpo humano transmitidos pelo canal 18, tenho a quase sobre-humana capacidade de conseguir acompanhar em simultâneo a verborreia oral e a tradução simultânea em forma de legenda sem perder o fio à meada.

Dito isto, e se é recorrente nos dias que correm que após um intenso dia de labuta me veja a apreciar uns momentos de relaxamento enquanto observo desinteressadamente a caixa mágica - marcado pelo alternar rítmico de canal, qual zombie que em busca da próxima refeição avança pela programação sem vontade própria, critério ou objectivo - seria de esperar que os profissionais da tradução visualizassem com um bocadinho mais de brio a obra que irá ser Camoneada (1).

É tal a atenção prestada na função e/ou conhecimento do Anglo-Saxonismo, que um simples telefonema se transforma num noivado, um comentário maroto numa mera observação, um pelotão de fuzilamento vira quartel de bombeiros, um monge dá em macaco e uma pista de bowling torna-se uma padaria (2).

Compreensivo e de perdão fácil, procuro ser justo nas minhas avaliações, contudo marco o limite com um tradutor que ao ver um encantador robot (ou robô) de nome R2-D2 (ou R2 para os amigos), não tem a largueza de espírito para alcançar que uma outra versão do mesmo robô (ou robot, funciona para os dois lados) dificilmente se chamaria Arfor (3)...

É a minha opinião, ainda que não concorde com ela.

(1) Passar para a língua de Camões;
(2) Um prémio a quem reproduzir as frases/palavras no seu original;
(3) Obviamente que é R4.


.

4 comentários:

Arhis disse...

Concordo plenamente!!! As traduções cinematograficas e não só, têm piorado com o passar dos anos e chegam a ser ridiculas! o Arfor (R4) é exemplo disso mesmo.
Uma outra observação... se aprendeste a falar espanhol pelo canal 18, espero que o teu vocabulário, neste momento, esteja mais desenvolvido! Nem quero imaginar o que será entrar no teu gabinete a meio de uma alegre cavaqueira com os teus colegas espanhóis e dar por uma situação de canal 18 de 3 homens vestidos de fato!!! Hilariante no minimo! Sobretudo para os Belgas!

Ervi Mendel disse...

A melhor que eu conheço é: "Little lambs" --> "Pequenas lambidelas"

Catarina Morgado disse...

Gosto disto! Ora então vamos lá ver:

1- "que um simples telefonema se transforma num noivado"...engaged
in a phone call (ou não...)

2- "um comentário maroto numa mera observação"...eh pá, esta é complicada desde que o joey dos friends tornou o "grandma's chicken salad" na frase mais marota à face da terra...

3- "um pelotão de fuzilamento vira quartel de bombeiros".. fire brigade ou fire squad (esta acertei de certezinha)

4- "um monge dá em macaco"...monkey
em vez de monk (esta está mesmo lá, não está??)

5-"e uma pista de bowling torna-se uma padaria"...esta é dificil, mas escolho a variante mixing bowl.

...é provável que estejam erradas, mas eu sinto que estive lá perto! E o que interessa é participar, por isso dê lá por onde der, considero desde já o prémio como sendo meu!

Pacheco disse...

Ora bem, então aqui vai:

1. I'll give you a ring tomorrow;

2. Man, she looks hot in those clothes;

3. Firing squad. Mas vou aceitar como correcta;

4. Muy bien;

5. Bowling alley. Na realidade a tradução foi "rua dos bolos"...

O facto de teres sido a única a participar dá-te sem dúvida um lugar no pódio.